COMO A EMPRESA DEEP ROOT DE NOVA IORQUE CRIOU UMA FORMULA PARA INSPIRAR

Últimas

COMO A EMPRESA DEEP ROOT DE NOVA IORQUE CRIOU UMA FORMULA PARA INSPIRAR


Durante a pandemia, a empresa se reinventou e encontrou uma maneira de salvar seus shows ao vivo para que pudessem continuar a prosperar em um “novo mundo” baseados na produção de shows virtuais online

Marca criada em Nova York em 2007, a Deep Root é conhecida por suas experiências de música ao vivo e por seus diversos braços de atuação no mercado da musica eletrônica através de sua gravadora, empresariamento de artistas, licenciamento e sincronização de musicas e produção de eventos. 

Durante a pandemia, a empresa se reinventou e encontrou uma maneira de salvar seus shows ao vivo para que pudessem continuar a prosperar em um “novo mundo” baseados na produção de shows virtuais online. Sua capacidade de colaborar com outras gravadoras e marcas na mesma situação foi o que ajudou a mantê-los em atividade, respaldados pela tecnologia.

A Rádio Tecno House conversou com os co-fundadores da Deep Root Records, o DJ e produtor Francis Mercier e o empresário Ajamu Kambon, sobre suas carreiras, como sua empresa conseguiu prosperar durante a pandemia, como a tecnologia desempenhou um papel importante nesse sucesso, o presente e o futuro.

ENTREVISTA FRANCIS MERCIER

RTH: Conte um pouco para nós sobre a fundação da Deep Root. Quando e como foi o começo? Quais foram as maiores dificuldades? 

Deep Root começou como uma vitrine de eventos para capacitar DJs locais em Nova York, em 2007. Ajamu e eu nos conhecemos em uma festa, e imediatamente nos conectamos com a visão de lançar a Deep Root Sessions. As maiores dificuldades foram definitivamente construir o reconhecimento da marca desde o início.

RTH: Em que momento vocês começaram a ampliar o espectro da empresa e criar outros braços como management, eventos, etc?

À medida que nossos eventos cresciam, nossa base de fãs e DJs se tornaram um coletivo. A partir daí, queríamos ajudar ainda mais a dar visibilidade aos nossos DJs – através de lançamentos musicais, e a Deep Root Records nasceu em 2014. À medida que as coisas progrediam, contratamos alguns artistas como “360 artistas” sob a Deep Root Management. Por fim, lançamos nossa divisão de licenciamento, Deep Root Licensing, para ajudar artistas de todos os gêneros a garantir posicionamentos de sincronização e licenciamento. Nossa clientela anterior e atual inclui, mas não se limita a, Disney, Netflix, BMW, Nike, Juventus, Adidas, L’Oreal e outras marcas de vários tamanhos.

RTH: Quais são os principais focos da Deep Root no momento?

Os principais focos da Deep Root são aumentar nosso catálogo de DSP e organizar eventos de grande escala e altamente memoráveis ​​para nossos fãs e todos os amantes da música.

RTH: Como conseguiu sobreviver durante a pandemia?

Somos gratos por trabalhar com mais de 60 artistas para sincronização e licenciamento. Essa receita desempenhou um grande papel em nossa saúde fiscal durante a pandemia. O Sync & Licensing também foi especialmente lucrativo devido ao fato de todos aumentarem o tempo de tela com bloqueio etc.

RTH: Qual seu estilo de vida? Consegue conciliar bem as viagens, estúdio e o trabalho na Deep Root?

Meu estilo de vida é 95% trabalhando no crescimento do Deep Root, focando no meu projeto de artista e fazendo música, e viajando em turnê. Os 5% restantes são jogando futebol, correndo e malhando. Definitivamente não é o que alguém acharia divertido, mas o trabalho não parece trabalho para mim. Crescer minha empresa e meu perfil de artista é o que me mantém acordado à noite e o que me acorda de manhã. Eu amo isso!

RTH: Fale um pouco das suas produções musicais atuais e as aparições nos charts como a do Beatport

Recentemente, colaborei com BLOND:ISH, Magic System, Black Motion, FNX Omar, a dupla indicada ao Grammy Amadou & Mariam e a estrela em ascensão gerenciada pela Deep Root do Zimbábue, Nitefreak. Meus últimos lançamentos foram fortemente apoiados por Black Coffee, Themba, Adam Port e outros, foram apresentados nos editoriais do Spotify, Dance Party e Housewerk, apresentados na Billboard, e estão no Top 5 geral do Beatport.

HTR: Por ser um DJ eclético, como você descreve seu atual momento na cena?

Eu tenho um talento underground que vai desde o Afro House e o melódico house progressivo, até sons que podem estar no limite do underground e do comercial com amplo apelo global. Estou me apresentando no Canadá, África, Europa e Dubai neste verão e minhas apresentações e lançamentos musicais têm um som mundano para eles.

RTH: Quais são seus planos e sonhos para o futuro da sua carreira? 

Meus planos e sonhos para o futuro são continuar a compartilhar minha música com mais e mais pessoas em todo o mundo. Esse é o combustível que me mantém indo. A música me traz muita alegria, assim como para os outros, e poder ter uma contribuição vasta e positiva é mais do que gratificante. Meus sonhos incluem tocar no Circoloco, abrir para o Black Coffee, tocar na Get Lost de Damian Lazarus, Coachella, Tomorrowland, Electric Forest, Ultra, Hi + Amnesia + Pacha Ibiza. Quero compartilhar minha música e energia com o maior número de pessoas possível.

RTH: Qual foi a melhor e a pior gig da sua vida?

O melhor show da minha vida foi uma surpresa. B2B improvisado com Gorgon City em Tulum – a energia e a sinergia foram irreais. O pior show da minha vida foi há 3 anos, quando meu USB falhou ao carregar momentos antes do meu set!

RTH: Qual é o seu publico favorito e porque?

Meu público favorito é um público íntimo, onde as pessoas estão perto de mim ao redor da cabine, sorrindo e gesticulando gestos de carinho. Isso me dá uma quantidade indescritível de felicidade, energia para dividir com as pessoas o dar o melhor de mim.

RTH: Alguma referencia sobre musica eletrônica Brasileira e da atual situação da cena por aqui?

Sim, eu absolutamente amo o que a Vintage Culture fez pela comunidade house brasileira e como ele representa o Brasil para o mundo. Inspiro-me continuamente na sua versatilidade e originalidade. Vou tocar lá em breve e mal posso esperar para conhecer todos os amantes da música lá.

RTH: Já tocou no Brasil ou tem planos de vir?

Eu não toquei aí ainda, mas minha equipe de bookings está recebendo várias consultas para possíveis apresentações de estreia. Mal posso esperar para conhecer os amantes da musica eletrônica daí!

Redes Sociais Francis Mercier

Site | Spotify | Instagram | Beatport | Soundcloud | Twitter

ENTREVISTA AJAMU KAMBON

RTH: O que o inspirou a criar sua própria marca?

Sempre tive um espírito empreendedor desde que cresci vendendo doces, bebidas esportivas e barras nutricionais. Depois comecei lançando aplicativos na faculdade e administrando minhas próprias festas no final da adolescência. A mudança para iniciar minha própria empresa aconteceu quando conheci meu sócio, Francis Mercier – que já tinha sua própria empresa de planejamento de eventos de sucesso – para criar uma empresa de gerenciamento que se transformou em uma gravadora e produtora de eventos.

Ambos assumimos o compromisso de iniciar nossa própria marca e continuar crescendo ao longo dos anos, pois sentimos que era nosso dever, como minorias, ter sucesso independente na indústria e possuir algo que era nosso. Sempre quisemos controlar nosso destino, com quem fazemos parceria, quem empregamos, bem como nossas atividades e missão como selo.

RTH: De onde vem o seu interesse pelo mundo da música?

Da dança, por mais de 15 anos da minha vida. Sempre tive o dom de saber o que soava bem. Crescendo, eu sabia que não importa o gênero que se fizesse você dançar, chorar ou sentir algo, então valia a pena compartilhar com o mundo. O interesse do meu sócio decorre de seu desejo de ajudar outros artistas a ter uma almofada financeira para fazer música também. Ele e eu trabalhamos incansavelmente todos os dias, ao lado de nossa equipe unida e diligente, para garantir que centenas de artistas sejam pagos por nós todas as semanas.

RTH: Você enfrentou algum desafio na transição para a indústria como empreendedor?

A transição para a indústria da música como empresário não foi um grande desafio para mim. Ser empreendedor é ver onde se pode produzir valor ou encontrar uma necessidade e/ou solução para um problema. Então, fazer a transição para uma indústria diferente de onde eu vim, significava apenas descobrir os incômodos, a cultura e a terminologia geral usada no dia-a-dia. A única coisa que às vezes pode impedir as pessoas de trabalharem nessa indústria é o ardiloso e constante “deixe-me derrubar seu prédio para que eu tenha a mentalidade mais alta”. Não é todo o setor, mas é um desafio e um choque cultural em comparação com outros setores estruturados. A indústria pode ser muito hostil, e até mesmo dolorosa às vezes, para aqueles que têm paixão por música, artes e entretenimento.

RTH: Quando a Deep Root Records começou a fazer curadoria de experiências de música ao vivo?

Temos cultivado experiências de música ao vivo há 7-8 anos. Desde que começamos como uma empresa de eventos, foi o que mais fizemos no início. Começamos a fazer transmissões ao vivo através de plataformas online como o Facebook há cerca de dois anos, alguns meses antes da pandemia, pois queríamos dar às pessoas que não puderam comparecer aos nossos shows esgotados a capacidade de ver e ouvir nossos artistas como se eles estivessem lá.

RTH: Que tipo de tecnologia e plataformas ajudaram a empresa a migrar para programas transmitidos ao vivo durante a pandemia?

O que mais nos ajudou foi o novo aplicativo do Facebook, Crossposting. Essencialmente, as páginas do Facebook agora podem dar acesso a outras páginas para compartilhar postagens e vídeos como se fossem postagens originais. A Deep Root Records pode fazer uma postagem de vídeo e dar a cinco outras páginas a capacidade de postar o mesmo vídeo, atribuindo as visualizações e compartilhamentos de todos os vídeos e compilando-os juntos. Assim mostrando a contagem total em cada página respectiva, além de ter o conteúdo orgânico e nativo da respectiva página. Isso nos permitiu fazer parcerias com muitas páginas e empresas ainda maiores, marcas e estações de rádio que tinham audiências maiores.

RTH: Como a pandemia o ajudou a crescer e fortalecer as relações comerciais com outras empresas de música?

Abriu novas oportunidades de trabalhar com várias outras gravadoras já que ninguém fazia shows e todos estavam focados em atingir um público mundial. Por causa disso, havia esse objetivo comum entre as gravadoras concorrentes de trabalhar juntas para apoiar o crescimento uma da outra durante esse período difícil. Trocávamos e compartilhávamos postagens relevantes para nosso gênero de artistas e compartilhávamos músicas nas playlists e sets transmitidos ao vivo uns dos outros. Além disso, ao fazer parceria com outras empresas e artistas para nossas transmissões ao vivo, permitiu que organizadores de eventos, locais e agentes de bookings que seguiam/trabalhavam com os respectivos artistas ouvissem músicas de outros artistas e vissem o conteúdo sendo criado por outras gravadoras.

RTH: Agora que a indústria está se recuperando com festivais e shows ao vivo com força total, como a Deep Root Records está voltando ao ritmo das coisas?

Estamos trabalhando com força total desde que empregamos mais de seis artistas e DJs todo fim de semana e temos uma equipe de eventos 5 pessoas. Nossa Yacht Series se mantém forte há meses, e nossa plataforma de eventos está anunciando novos eventos com curadoria de música e direção de shows todos os finais de semana. Estamos agora conversando sobre começar uma residência semanal em um club muito importante e planejar grandes shows mensalmente.


 

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem